A Clara Visão é uma empresa especializada no comércio de:

    • óculos solares

    • óculos solares com grau

    • óculos de segurança

    • óculos de grau

    • lentes de contato

 

Além destes produtos e dos serviços de manutenção, possui laboratório próprio para fabricação de lentes oftálmicas para uso em sua loja e para atendimento de outras óticas.

Trabalhamos com as mais conceituadas marcas do mercado como:

Ana Hickmann você encontra na Ótica Clara Visão
Atitude você encontra na Ótica Clara Visão
Atitude MMA você encontra na Ótica Clara Visão
Speedo você encontra na Ótica Clara Visão
Ray-Ban você encontra na Ótica Clara Visão
Mormaii você encontra na Ótica Clara Visão
T-Charge você encontra na Ótica Clara Visão
Vogue você encontra na Ótica Clara Visão
Bulget você encontra na Ótica Clara Visão
Hoya você encontra na Ótica Clara Visão
Varilux você encontra na Ótica Clara Visão
Bausch & Lomb você encontra na Ótica Clara Visão

No menu ao lado você obtém mais informações sobre cada tipo de produtos de que dispomos.

Um pouco da história dos óculos

AS ORIGENS

Desde a Antiguidade, a história do homem na

Terra é marcada por tentativas de enxergar

mais e melhor. Os primeiros registros históricos

sobre a existência de lentes rudimentares

foram escritos na China pelo filósofo Confúcio,

em 500 AC. Estas lentes primitivas eram feitas

de cristais com um polimento tosco e não eram

óculos propriamente ditos, como os

conhecemos hoje em dia. Acreditava-se que

tinham várias propriedades medicinais além de

prolongar a vida das pessoas. Tinham força

como amuleto, mas ainda eram de uso visual

limitado.

 

Mesmo durante o Império Romano ainda não

existiam óculos. Marcus Tulius Cícero, senador de Roma, grande escritor e eloquente orador, em 62 AC, escreveu uma carta a seu amigo Atticus, mencionando que a idade estava chegando e sua visão vinha diminuindo ao ponto que já não conseguia mais ler sozinho. A solução encontrada foi que Marcus Tulius Cícero teve que comprar escravos especialmente para ler.

 

PEDRAS DE LEITURA

Embora Ptolomeu, no Egito, descobrisse leis ópticas fundamentais da refração da luz por volta do ano 150 da era Cristã, somente na Idade Média os monges começaram a desenvolver a chamada "pedra de leitura", segundo as teorias mais aperfeiçoadas do matemático árabe Alhazen, que viveu em Basra aproximadamente no ano 1000 depois de Cristo.

 

Esta pedra funcionava como uma lupa primitiva que aumentava o tamanho das letras, e era composta basicamente de cristal de quartzo hialino ou de pedras semipreciosas que tinham lapidação e polimento. Uma das pedras mais cobiçadas era o Berilo por seu brilho, beleza e grande transparência. Aliás, foi do seu nome que derivou a palavra "brilho".

 

Uma destas primeiras pedras de leitura é representada fielmente no livro e filme de Umberto Eco - "O Nome da Rosa", onde ele mostra bem o grande valor e poder que essas pedras tinham naquela época.

 

Em 1267, o monge franciscano britânico, Roger Bacon, conhecido como "Doutor admirável", conseguiu demonstrar que pessoas com deficiência visual conseguiam ver melhor através de lentes lapidadas, levando ao Papa um exemplar de uma destas lentes de leitura.

 

Naquela época, os antigos viajantes que se aventuravam e conseguiam retornar vivos das viagens ao extremo Oriente contavam que os chineses já faziam uso de óculos no início do primeiro milênio da era Cristã. Marco Polo relatou em seu livro sobre suas viagens ao Oriente que óculos eram de uso corrente na China, na corte de Kublai Khan, por volta do ano 1275 AD.

 

Entretanto a verdadeira origem dos óculos tem levantado muitas conjecturas e controvérsias e nem todas são baseadas em evidências históricas precisas. De fato, não existiu um único inventor dos óculos, mas sim inúmeras pessoas anônimas, tanto no Oriente quanto no Ocidente, que foram contribuindo aos poucos, ao longo dos anos, para aperfeiçoar este valioso instrumento visual para a humanidade.

 

Tudo indica que uma armação montada com um par de lentes para se colocar na frente dos dois olhos, com a finalidade de leitura, surgiu em Veneza entre 1270 e 1280, pois esta próspera cidade e a vizinha ilha de Murano dominavam o comércio de vidro naquela época. Ao mesmo tempo também, no extremo Oriente, se desenvolvia na China o aperfeiçoamento dos óculos, pois o conhecimento se intercambiava depressa ao longo das rotas de comércio na Ásia Central abertas por Genghis Khan.

 

É interessante citar que na igreja Santa Maria Maggiore de Florença, no túmulo de Salvino d´Armato, morto em 1317, está gravada na sua lápide a seguinte inscrição: "Aqui jaz Salvino d´Armato, de Florença, Inventor dos óculos; Deus perdoe seus pecados. Anno D. MCCCXVII".

 

No entanto essa paternidade é controversa, a começar pela construção do seu próprio túmulo com um busto de um desconhecido Greco-Romano do ano 100 A D.

 

Na Renascença, o desenvolvimento intelectual e cultural aumentou de forma muito acentuada paralelamente ao desenvolvimento técnico e científico. E certamente existiram dois grandes marcos nesta evolução: um foi a invenção tipográfica por Gutemberg em 1440, e o outro foi a invenção dos óculos que possibilitou a leitura das letras pequeninas que surgiram com a imprensa. Naquela época, usar óculos significava ter um grande saber, denotava cultura e erudição e era símbolo de status e nobreza.

 

Na Europa daqueles tempos, os pioneiros na fabricação de lentes de cristal lapidado e vidros ópticos foram o vidreiros de Veneza, ficando famosa a oficina de arte vidreira de Murano. Lá foram produzidas as primeiras lentes lapidadas para a civilização ocidental enxergar melhor. Aos poucos este conhecimento foi se difundindo e se estabelecendo  em outras cidades da Europa, tais como Nuremberg e Augsburg na Alemanha e Rouen e Flanders na França.

 

Entretanto, não se encontravam óculos por toda parte. Eles eram raros, custavam caríssimo e eram considerados verdadeiras jóias. Seu valor era tal que eram relacionados em inventários de bens de família e deixados em testamentos como herança, assim como fez Charles V, o sábio, rei da França (1364-1380).

 

Existe um registro histórico na China, durante a dinastia Ming (1260-1368), que um rico senhor trocou uma parelha de finos cavalos de raça por um par de óculos.

 

USOS

No início eles começaram a ser usados somente para a visão de perto, para leitura, para corrigir a Presbiopia ou "vista cansada". Aos poucos eles passaram a ser usados também para a correção da Hipermetropia. Entretanto o primeiro registro do uso para a Miopia só foi feito em 1441 por Nicolaus Cusanus em seu livro "De Beryllo". Já a correção do Astigmatismo, por meio de lentes cilíndricas, só aconteceu bem mais tarde, na Inglaterra, em 1827.

 

Antes disso, em 1611, Kepler já havia introduzido o uso de prismas. E, em 1784, Benjamin Franklin, o famoso estadista americano, que também era inventor, cientista e filósofo, inventou os bifocais, que tanto benefícios trouxe às gerações futuras. A introdução dos multifocais só foi possível há relativamente pouco tempo, com o avanço da tecnologia de fabricação de lentes nos anos 70.

 

LENTES DE CONTATO

A primazia das idéias relativas às lentes de contato está registrada nos escritos de Leonardo da Vinci (1452-1519). Apesar de outros antigos estudos teóricos realizados por René Descartes em 1637 e Thomas Young em 1827, a lente de contato só saiu do anonimato das pesquisas e se popularizou após 1950.

 

ARTES

A primeira manifestação dos óculos nas artes é um quadro de Tommoso da Morena, datado de 1352, que está na Igreja de São Nicolo em Treviso, na Itália. Representa o rosto do Cardeal Hugo de Treviso usando um daqueles óculos primitivos que consistiam de duas lentes redondas com aros de metal unidas por um pino central em cima do dorso do nariz.

 

São Jerônimo, padroeiro dos óticos, tradutor da Bíblia para a língua latina, conhecida como "Vulgata", sempre é representado junto com um leão, uma caveira e um par de óculos. Entretanto estas pinturas, realizadas em datas bem posteriores, tem um caráter  simbólico, pois na época em que viveu (347 AD - 420 AD) os óculos não tinham sido ainda inventados.

 

Na linguagem simbólica dos místicos cristãos podemos entender o leão como representando a força e a coragem, a caveira simbolizando a mortalidade do homem carnal e os óculos significando a visão, tanto a exterior, dos olhos como órgãos dos sentidos, quanto a visão interior da consciência.

 

LITERATURA

Na literatura, o livro mais antigo que trata dos óculos é o trabalho de Nicolaus Cusanus, publicado em 1441, intitulado "De berillo". Depois vem o "Uso de los antojos" de Benito Daça de Valdes (Sevilla, 1623). E "L´occhiale all´occhio" de Carlo Antonio Manzini (Bologna, 1660).

 

ARMAÇÕES

Os óculos não nasceram com este aspecto que hoje os conhecemos. Percorreram

um longo caminho, se modificando aos poucos até chegar na atual forma.

 

Os primeiros óculos eram feitos de uma só lente. Tanto que a palavra "óculo" significa

apenas uma lente como um monóculo. O instrumento completo com duas lentes

montadas em uma armação no rosto é denominado um "par de óculos" ou

abreviadamente "óculos", no plural.

 

Os primeiros modelos eram constituídos por duas lentes presas no meio por um rebite,

que se abriam ou fechavam em forma de "V" invertido, apoiando-se no dorso do nariz,

sem as hastes laterais.

 

A mais antiga pintura de um par de óculos, datada de 1352, mostra duas lentes redondas como se fossem dois monóculos de metal presos no centro acima do nariz por um pino, ficando apoiado no dorso nasal.

 

Os óculos considerados os mais antigos ainda existentes encontram-se preservados no museu de Nuremberg e pertenceram ao Burgomestre de Nuremberg que viveu de 1470-1530. São constituídos de duas lentes biconvexas redondas unidas por uma sólida peça de couro.

 

Essas armações de couro foram sendo substituídas aos poucos por outros materiais: madeira, chifre, casca de tartaruga, osso, marfim e metais, tais como, ferro, prata, ouro e outras ligas. Novos materiais foram sendo desenvolvidos, modificados e introduzidos no mercado até chegar aos modernos e sofisticados  compostos plásticos, resinas, nylon e policarbonatos, sempre em busca de um melhor design, de mais conforto, durabilidade, leveza e resistência.

 

O primeiros óculos não tinham as hastes laterais e se apoiavam no nariz como os "Pince-nez", com uma ponte fixa e flexível que se prendia no nariz. Ou os "Lorgnon" que tinham uma haste lateral inferior para segurar com a mão.

 

No princípio a fixação era feita por cordéis ou fitas de couro amarradas atrás da cabeça ou passando por trás das orelhas pendendo sobre o peito com um contrapeso. Depois dos amarrilhos surgiram as hastes laterais com molas espirais pressionando as têmporas para segurar os óculos na posição.

 

Em 1730 foram inventadas as hastes laterais rígidas para se apoiar nas orelhas e posteriormente apareceram as hastes laterais com angulação para melhor apoio e fixação no dorso do pavilhão auditivo. Mais tarde, em 1752, foi inventado em Londres as hastes laterais dobráveis, facilitando bastante o manejo pelos usuários.

 

LENTES

As primeiras lentes eram fabricadas por artífices muito habilidosos que poliam e lapidavam os cristais de quartzo ou pedras semi-preciosas relativamente mais transparentes, tais como o topázio ou berilo, mas a tecnologia era primitiva e os óculos ficavam toscos e rudimentares. O desenvolvimento das lentes em maior escala e em melhor qualidade só foi possível com o desenvolvimento das lentes de vidro com boa qualidade óptica.

 

A existência do vidro remonta aos tempos pré-cristãos e existem registros históricos afirmando que no Egito, em 1500 A.C., já existia uma bem estabelecida indústria vidreira. Segundo a tradição acreditava-se que este conhecimento vinha do sábio alquimista Hermes Trimegisto.

 

O encontro de vidro nas ruínas de Pompéia confirmou que o fabrico de vidro já era bem estabelecido antes do ano 79 A. D., quando houve a grande erupção do Vesúvio.

 

Entretanto, o vidro só foi aperfeiçoado para ser usado como lente de óculos em Veneza no início do século XIV, ficando famosas as lentes produzidas na Oficina Vidreira de Murano. Mais tarde, no século XVI, floresceu na Alemanha uma indústria de produção de lentes de cristal de vidro de muito boa qualidade, particularmente na cidade de Nuremberg que se tornou-se um centro de alta reputação.

 

A invenção do telescópio por Galileu em 1608 foi um estímulo muito grande para o desenvolvimento de lentes de alta qualidade óptica.

Produtos

PRIMEIRO PAR SURGIU EM 1270 NA ALEMANHA

 

O primeiro par de óculos em ferro com aros grandes, unidos por rebite,

foi descoberto na Alemanha, em 1270. Com movimentos de compasso,

permitia ser ajustado precariamente sobre a ponta do nariz.

 

Nesse mesmo século, modelo semelhante aparece em Florença, convertendo-se em sucesso de vendas. Por essa ousadia, os italianos passaram à História como os inventores dos óculos. As primeiras peças eram pesadas e desconfortáveis. Pesquisas técnicas seguiram-se por dois ou três séculos para que fosse montado um modelo que oferecesse conforto e segurança. No século XV, os pince-nez e lornhons eram moda. O primeiro ajustável na ponta do nariz, sem haste, o segundo com haste lateral para ser seguro sobre os olhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Curiosidades: os modelos que foram hit nas décadas passadas

 

Foi no século XVII que surgiram os primeiros modelos com hastes fixas sobre as orelhas, muito vendidos e usados até a década de 20, quando foram substituídos pelo estilo com aros superiores ou inferiores finos e leves, cujas versões modernas são sucesso até hoje.

 

- Na década de 40 as tendências eram os aros redondos

   de plástico

 

- Nos anos 60, o estilo gatinha ganhou as ruas e comandou

   as vendas na área.

 

- Logo no início da década de 70, apareceram os grandes

   óculos de plásticos coloridos, precursores dos modelos

   tipo máscara, hit fashion da atualidade.

MATERIAIS

Os materiais de uma armação dos óculos podem criar uma aparência completamente nova para você. Uma determinada cor destaca o tom de pele, o material da armação pode complementar a cor do cabelo, e os quadros podem ser leves, para que quase não sinta que está usando óculos. Determine o formato do seu rosto e sua coloração para entender qual o estilo e a cor da armação de óculos ficaria melhor.

Plástico

Selecione armações de plástico se gosta de ter uma grande variedade de cores para escolher. Uma armação azul combinará com olhos azuis, e a forma deve corresponder ao formato do rosto. Opte por uma armação estreita e angular se o seu rosto for redondo. Elas deixariam seu rosto parecer mais fino e mais cumprido. Os plásticos de cor clara darão a impressão de que você não está usando óculos. Elas também são leves.

 

Alumínio

Usuários mais sofisticados podem preferir usar armações de alumínio por causa da aparência. Elas vem nas cores prata, marrom, preto, dentre outras. Os homens podem gostar deles, pois são de tons conservadores e fáceis de usar, e combinam com ternos. Elas também são leves e hipoalergênicas, mas também resistem à corrosão, ao calor e à abrasão.

Madeira ou osso

Para uma aparência única, experimente as armações de osso ou de chifre de búfalo. Elas são mais caras do que as de materiais comuns, e não são tão flexíveis ou flexível como as de plástico ou metal, mas são atraentes por causa da singularidade. Elas podem fornecer uma aparência elegante e incomum, e diferenciá-lo de outros utilizadores de óculos.

 

Flexon

Flexon é uma liga à base de titânio, conhecida como "metal de memória". Mesmo quando torcidas, dobradas ou esmagadas, as armações feitas com Flexon mantêm a forma, tornando-as uma escolha inteligente para crianças envolvidas em esportes ou outras atividades, onde elas podem facilmente dobrar as formas dos óculos. O material é leve e resistente à corrosão.

Rua Rui Barbosa 1050 - Centro - Campo Largo - PR    |    41 3032.3155

Horário de Atendimento:

Seg. à sexta   das 8:00 às 18:30

Sábados         das 8:00 às 13:00